Passa Vinte é uma típica cidade mineira, calma, de clima ameno e localizada na Serra da Mantiqueira, no sul do estado de Minas Gerais. Sua altitude de 737 metros confere ao município um clima tropical de altitude típico de planaltos e serras. É ótimo para quem admira as montanhas e gosta do contato com o ar puro.

 A população da cidade, segundo dados do último censo do IBGE, em 2010, é de 2.079 habitantes distribuídos numa área de aproximadamente 246 km². A capital do estado, Belo Horizonte, está a 395 km de Passa Vinte. A economia é baseada na agropecuária. O plantio do milho é predominante na produção agrícola sendo que a pecuária constitui-se da criação de gado leiteiro.

PARA MAIS INFORMAÇÕES ACESSE: https://www.passavinte.mg.gov.br/ 

 

Nos séculos XVI e XVII, expedições de bandeirantes partiram do estado de São Paulo rumo ao interior de Minas Gerais. O objetivo de encontrar ouro e diamante promoveu um grande avanço para o interior do país. Esses aventureiros bandeirantes estabeleceram novas rotas e deram origem a povoados que serviam de ponto de encontro de viajantes e tropeiros. Desses povoados surgiram arraiais, vilas e cidades. Ao erguerem capelas e igrejas, o casario rapidamente se espalhava nos arredores e, aos poucos, formavam-se sólidos povoados que ganhavam, muitas vezes, nomes característicos como o nome de Passa Vinte.

 Nesse caso, há pelo menos duas versões para o nome. A primeira relata ter havido no Rio Preto – divisa dos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais – uma barreira fiscal imposta pelo governo imperial onde uma balsa fazia a travessia do rio transportando seu limite máximo de carga: vinte cabeças de gado. A partir daí, ao se referirem ao local da barreira de fiscalização, muitos diziam: “lá no Passa Vinte”. O que serviu de referência para o lugar.

 A segunda versão atribui aos bandeirantes o nome de Passa Vinte. Orientados pelo astrolábio, que indicava a direção apenas em linha reta, os desbravadores cruzavam vinte vezes o córrego do Embaú, antes de chegarem ao Rio Carapuça. A região passou então a ter a denominação genérica de Passa Vinte.

 Quanto à expansão do primeiro povoado, uma lenda atribui seu início a duas escravas alforriadas, após o ano de 1885, que teriam habitado a região do Passa Vinte. Enquanto procuravam lenha no mato, as duas mulheres encontraram uma imagem de Santo Antônio de Pádua, esculpida em madeira de cedro, que foi trazida para casa e colocada em um altar de onde veio a desaparecer misteriosamente.

 A imagem foi reecontrada, no dia seguinte, no mesmo local do dia anterior e novamente trazida para casa. No entanto, o desaparecimento se repetia a cada nova tentativa de trazê-la para casa. Diante do fato, as mulheres informaram o ocorrido a vários outros ex-escravos na região que decidiram construir uma capela para a imagem no mesmo local onde ela era reencontrada. Em torno da capela se fixaram os primeiros habitantes e, com o tempo, a antiga capela tornou-se uma igreja com diversas construções ao seu redor.

 Onde hoje situa-se a cidade de Passa Vinte, já existia um povoado com o nome de Cedro devido à grande quantidade dessa árvore no local. A partir de 1890, a Estrada de Ferro Oeste de Minas inicia a construção da ferrovia que começava em Ribeirão Vermelho (MG) e partia em direção a Angra dos Reis (RJ), passando pelo povoado do Cedro que, em 1898, já possuía uma pequena igreja. Um fazendeiro doou uma porção de terras à Igreja para que esta administrasse algumas doações a quem se dispusse a morar no arraial. Isso estimulou a transferência de algumas repartições como correio e cartório do Passa Vinte para o Cedro.

 Em 1903, a ferrovia chega finalmente ao povoado do Cedro e atrai um número crescente de moradores buscando a comodidade do novo meio de transporte e causando redução expressiva no número de habitantes do Passa Vinte que tem seu nome transferido para o Cedro e passa a ser denominado Passa Vinte Velho.

 Do antigo Passa Vinte próximo ao Rio Preto restou apenas o nome de Passa Vinte Velho usado atualmente e algumas ruínas testemunhas de sua existência. Nem mesmo o Santo Antônio de Pádua, esculpido em madeira de cedro, encontrado pelas ex-escravas, resistiu ao tempo. Ele foi atirado no Rio Preto por um sacristão e substituído por outra imagem de gesso após sucessivos desabamentos da antiga capela.

 Subordinado ao município de Aiuruoca desde 1857, o distrito do Passa Vinte continuaria como tal mesmo após três divisões administrativas nos anos de 1911,1936 e 1937. Em 17 de dezembro de 1938, o Passa Vinte deixa de pertencer a Aiuruoca para ser anexado ao município de Liberdade. Em outra divisão territorial em 1950, o distrito de Passa Vinte ainda pertencia a Liberdade. No entanto, três anos depois, em 12 de dezembro de 1953, a lei estadual nº 1.039 desmembra de Liberdade o distrito de Passa Vinte, elevando-o a município.

ACONTECE EM PASSA VINTE- MG

Baependi – MG – Carnaval 2018

Baependi está animada para o Carnaval 2018 com diversas atrações para todos os foliões.

As ruas estão sendo enfeitadas para receber os munícipes e turistas que já estão chegando na cidade para a folia.

O Carnaval terá início nesta sexta-feira com a Micareta Sertaneja e término apenas na terça-feira com a Banda Só Zueira.

O destaque fica por conta do Banho da Espuma e o Banho da Mocreia que irão acontecer na segunda-feira.

Domingo a banda Maria Bunita chega com um repertório repleto de novidades para fazer o público tirar os pés do chão.

O intérprete Juninho Ferreira estará no palco agitando os foliões com marchinhas no Carnaval da Saudade.

Confira agora a programação completa do Carnaval 2018 em Baependi

 

Cadastre seu estabelecimento de Passa Vinte- MG

14 + 6 =

+ CIDADES DO CIRCUITO DAS ÁGUAS

_____

Conheça os demais municípios integrantes do Circuito das Águas